Quem sai e quem fica no Vasco? Vote! clique aqui

Casaca divulga notas sobre patrimônio do Vasco na gestão do Eurico

07/10/2017 às 09h58 - IMPRENSA
Foto: Paulo Fernandes/Vasco Eurico Miranda
Eurico Miranda

Quando Eurico Miranda retornou ao Vasco em dezembro de 2014 se deparou com um cenário de guerra. Toneladas de lixo, inclusive orgânico, não recolhidas; água cortada e uma dívida com a CEDAE de 10 milhões de reais, além de dívidas com pipeiros; piscinas vazias e equipamentos destruídos; ginásio em escombros; Pousada do Almirante sucateada; cadeiras da social arrancadas; marquises infiltradas; banheiros quebrados e imundos; um muro externo caído há mais de ano, após a colisão de um caminhão, fechado apenas por tapumes; nas salas de aula do Colégio Vasco da Gama, os aparelhos de ar condicionado foram retirados e levados não se sabe para onde; hotel-concentração liquidado; demais sedes abandonadas. 

Reconstruir foi a ordem. Nos primeiros dias, a retirada de lixo e entulho foi realizada por mais de 10 caminhões contratados. Foi celebrado um acordo com a CEDAE e o fornecimento de água foi recomposto. Uma campanha de crowdfunding junto à torcida, revivendo a própria história de erguimento de São Januário, permitiu a reconstrução do ginásio. A Pousada do Almirante também foi reconstruída, voltando a ser habitável para os jovens atletas que moram no clube. O parque aquático foi e continua sob recuperação, o que foi possível pela captação de recursos em função da regularidade fiscal mantida pela gestão de Eurico, após anos de calotes. O muro quebrado foi imediatamente levantado. Marquises voltaram a receber tratamento contínuo, inclusive de impermeabilização. A fachada principal foi totalmente reformada. Vários banheiros foram modernizados e outros estão por ser entregues em breve. O colégio recebeu novos aparelhos de ar condicionado doados por vascaínos. A sede da Lagoa ganhou um espaço novo para a regeneração dos remadores. A sede do Calabouço teve a piscina reaberta, uma vez que nem salva-vidas havia no ocaso da administração passada. 

Além disso, um campo anexo para treinamentos e os espaços de recuperação do CAPPRES são novidades significativas para aqueles que visitam o Complexo Esportivo de São Januário. Há diversos outros equipamentos em processo de reforma e que seguem meticulosa agenda orçamentária. 

As gestões de Eurico à frente do Vasco são marcadas pelo zelo com o patrimônio. Muito mais se fará quanto à conservação das sedes. Muito mais se planeja em termos de melhorias. O Vasco de Eurico reconstrói. Mas também constrói. 



A Relação Comercial com a Televisão 

Nos anos antecedentes à administração Dinamite, a negociação com a televisão, principal contrato de todos os clubes do país, era feita em bloco, via Clube dos Treze. Naquele tempo, o Vasco recebia o maior valor pago pela emissora detentora dos direitos de transmissão junto a outros quatro clubes. 

Em pouco tempo de administração Dinamite, a negociação passou a ser realizada de forma individual. Sem procurar saber quanto os outros receberiam, os mentores daquela inacreditável gestão assinaram um novo contrato que colocou o Vasco em sexto lugar no ranking de verbas recebidas da televisão. O abismo de possibilidades de investimento estava apenas começando. Veio o efeito dominó. 

Evidentemente, várias relações comerciais que se sustentam na exibição de marcas seguiram o mesmo destino. A grosso modo, o clube que recebe mais, aparece mais na TV. Seus patrocinadores de camisa são mais expostos. E, assim sendo, pagam mais a quem recebe mais da TV. Logo, foi estabelecido um ciclo vicioso em espiral, um abismo que aumenta de forma exponencial, criando distâncias cada vez maiores entre os clubes. 

A volta de Eurico ao Vasco determinou uma nova lógica para a negociação entre clubes e TV. Ao se retomar a negociação em bloco, determinou-se que a partir do contrato de 2019, 40% do bolo oferecido pelos detentores do direito de transmissão serão divididos de forma igualitária; 30% de acordo com a audiência que os jogos dos clubes atingem, o que beneficia o Vasco por ser um clube nacional; e 30% de acordo com o ranqueamento do ano precedente. 

Assim, irá se corrigir parte de uma distorção que foi aceita passivamente pela gestão anterior, comandada por Olavo Monteiro de Carvalho e José Carlos Osório, apoiadores de Brant, e operacionalizada por Nelson Monteiro da Rocha, apoiador de Campelo, sob as bênçãos de uma oposição parceira, a Cruzada Vascaína, apoiadora de Horta. 

Cuidado, portanto: ao votar em um deles, você estará votando em quem, em última análise, beneficiou o Flamengo em passado recente! 
 

Fonte: Casaca